Atualizado 12/12/2017

Vacinado contra eliminações brasileiras, Grêmio enfrenta o Pachuca para ir à final do Mundial de Clubes

Renato Portaluppi disse que equipe irá se impor diante dos mexicanos.

Foto: Ricardo Giusti
Foto: Ricardo Giusti

Menos de duas semanas após a decisão da Libertadores, o Grêmio tem outra partida decisiva pela frente. A festa do tricampeonato da América foi linda. Mas já é passado. E o presente agora é a semifinal do Mundial de Clubes da Fifa. O Tricolor encara o Pachuca, do México, a partir das 15h (horário de Brasília) no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos. As ordens do comandante Renato Portaluppi são bem claras: foco total, se impor, vencer e aí sim poder pensar no futuro, sábado, na grande final em Abu Dhabi.

 

"Para chegar em uma final, temos a semifinal. Nosso objetivo é o Pachuca, este é o adversário que assistimos, todo o grupo, então estamos preparados para fazer esta semifinal", disse o técnico. O elenco treinou, fez o reconhecimento do gramado e está preparado, pronto para seguir fazendo história: decidir o Mundial de Clubes. Sem Arthur, que se machucou na segunda partida da final contra o Lanús, Renato deve escalar Michel. O resto do time é aquele que o torcedor sabe de cor e salteado: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jaílson, Michel, Ramiro, Luan e Fernandinho; Lucas Barrios.

 

Não vai ser fácil. Afinal, há alguns a semifinal deixou de ser uma partida protocolar para as equipes sul-americanas. No ano passado o Atlético Nacional (COL) foi eliminado pelo Kashima Antlers. Em 2013, no Marrocos, o Atlético-MG de Ronaldinho e Jô levou 3 a 1 do Raja Casablanca, time anfitrião. Em 2010 o Inter caiu para o Mazembe por 2 a 0.

 

Diante de tudo isso, o Tricolor espera um jogo complicado, nervoso, digno de uma semifinal de Mundial. "O Pachuca é sem dúvida um osso duro, carne de pescoço. É um jogo importantíssimo para eles como é para nós", afirmou o treinador gremista. Os jogadores também demonstram concentração e falam apenas em atenção redobrada, jogar firme e foco na semifinal.

 

A postura do Grêmio deve ser idêntica a adotada na final da Libertadores. Amassar o adversário, forçar o erro, recuperar a bola, trocar passes em velocidade para chegar com facilidade ao gol. Vamos colocar em prática o que fizemos o ano todo. Vamos respeitar, mas viemos para ganhar. O Grêmio pensou grande o ano todo, veio para ganhar, com todo respeito ao adversário", avisou Renato.

 

Os mexicanos tiveram dificuldade para derrotar o Wydad Casablanca (1 a 0) no segundo tempo da prorrogação. Porém, o Grêmio, entende que nesta terça o Pachuca virá mais forte. Honda, atacante, e os meias Aguirre e Urretaviscaya da equipe treinada pelo uruguaio Diego Alonso deverão receber uma atenção especial de Geromel, Kannemann e dos volantes do Grêmio. Os mexicanos precisarão superar o cansaço por terem atuado por 120 minutos no sábado para levar um clube do país à uma decisão de Mundial pela 1ª vez.

 

Porém, a torcida gremista sabe do potencial do time. Os jogadores sabem do seu potencial. Renato sabe do seu potencial. Nesta terça, mais uma vez, é hora de colocar em prática para seguir com o plano de conquistar o planeta.

 

Mundial de Clubes 2017 - Semifinal

 

Grêmio

Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jaílson, Michel, Ramiro, Luan e Fernandinho; Lucas Barrios. Técnico: Renato Portaluppi.

 

Pachuca

Óscar Pérez; Martínez, Herrera, Murillo e Emmanuel García; Hernández, Aguirre, Urretaviscaya, Guzmán e Honda; Sagal. Técnico: Diego Alonso.

 

Árbitro:  Felix Brych (Fifa/Alemanha).

Horário: 15h (de Brasília).

Local: Estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain (Emirados Árabes Unidos).

Fonte: CP
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções