Atualizado 15/05/2018

Venda de veículos seminovos cai pela metade no ano; a de usados de 9 a 12 anos sobe 79%

Para especialistas, parte dos compradores de seminovos está voltando ao carro zero.

(Foto: Reprodução/TV Mirante)
(Foto: Reprodução/TV Mirante)

A venda de veículos seminovos, aqueles com até 3 anos de uso, caiu pela metade de janeiro a abril, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Fenauto, federação dos revendedores multimarcas.

 

Essa foi a "faixa etária" mais negociada entre os usados em 2016 e 2017, mas, neste ano, ela é a apenas a terceira, perdendo para os que têm de 4 a 8 anos ("usados jovens", na classificação da Fenauto) e os de 13 anos ou mais ("velhinhos").

 

 

O que explica?

 

Segundo especialistas ouvidos pelo G1, duas tendências derrubaram as vendas dos veículos com até 3 anos de uso:

 

  • parte dos clientes voltando a comprar carro zero;
  • outra parte passando a procurar veículos mais velhos porque o preço dos seminovos subiu nos últimos anos, com a forte procura.

 

 

Compra de carro zero

 

 

Para o presidente da Fenauto, Ilídio dos Santos, a queda dos seminovos reflete a retomada da economia: parte dos clientes que até o ano passado optaram por veículos seminovos agora se volta para os zero.

 

venda de carros, caminhões e ônibus novos foi 21% maior de janeiro a abril deste ano do que no mesmo período do ano passado, somando 762,8 mil emplacamentos.

 

Considerando só a venda para pessoa física, a alta foi de 15,6% no mesmo período, aponta Isabela Tavares, economista da Tendências Consultoria.

 

Ela destaca ainda que a oferta de crédito para compra de veículos vem aumentando desde janeiro do ano passado, na comparação anual.

 

Os financiamentos de veículos novos subiram 9,6% de janeiro a abril, frente a 2017; os de usados, que são maioria, ficaram estáveis.

 

 

"A própria crise faz com que as diferenças de preço de carros novos para seminovos sejam estreitadas pelas promoções que as concessionária fazem no sentido de desaguar os estoques", completa Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar).

 

No entanto, as venda de carros zero continuam com volume bem abaixo do que o antes da crise, que favoreceu os usados.

 

"O que está acontecendo não é uma retomada total (da venda de veículos novos). (O setor) está respirando melhor", diz Antonio Jorge Martins, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

 

 

Compra de carro mais velho

 

Mesmo com a retomada nas vendas dos novos, a negociação de veículos usados continua crescendo. Nos primeiros 4 meses do ano, subiu 5%, frente a 2017, somando 3,4 milhões, sem contar as motos, ainda segundo a Fenauto.

 

Além de deixarem de ser a "faixa etária" mais vendida, a dos seminovos foi a única que caiu na comparação com o ano passado.

 

"Com a grande procura de seminovos (nos últimos anos), o preço se elevou, fazendo com que uma parte (dos consumidores) partisse para carros mais velhos", avalia Martins.

 

Os usados de 4 a 8 anos, que são os mais negociados neste ano, tiveram alta de 37% sobre 2017, somando 1,8 milhão de unidades. Eles também foram os mais financiados em março, seguidos pelos veículos 0 km e os que têm de 9 a 12 anos ("usados maduros").

 

Essa faixa de 9 a 12 anos foi a que mais cresceu nas vendas em geral, com alta de 79% de janeiro a abril em relação ao mesmo período do ano passado. Ela soma 794 mil unidades negociadas neste ano, pouco menos que o montante dos seminovos. (888,5 mil).

 

Os usados com 13 anos ou mais somaram 982,6 mil unidades negociadas, uma alta de 35% sobre o ano passado.

© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções